sábado, 2 de maio de 2015

O chá das 5 na era do THAAD



No último capítulo de Os sons da fé, Philip Yancey relata emocionado sobre a ópera O Messias, de Händel, que assistiu em Londres com a esposa. Na penúltima página, sobre o Apocalipse, apresenta a mise-en-scène dos anjos perquirindo quem irá romper o selo do livro da História. Tudo é bonito e chocante ao mesmo tempo (a descrição operística), sobretudo porque a prosa de Yancey é o melhor que se tem na literatura cristã desde João de Patmos.

As sub-notícias dos últimos dias, deixam no ar a questão: quem irá romper o selo do livro? 

Isso porque: 1) França negocia submarinos nucleares com a Rússia; 2) China planeja construir usinas nucleares no Paquistão; 3) Coreia do Sul pretende armar-se com equipamentos antimísseis THAAD dos EUA; 4) Coreia do Norte faz conchavos bélicos com o Irã etc etc. 

Não seria mais agradável - e seguro - à humanidade que esses senhores se reunissem diplomaticamente para o chá das 5 e passassem a administrar as suas diferenças "ideológicas" não em função dos clamores da indústria bélica, mas de uma política unitária - e humanitária - mais benfazeja à própria espécie?  

Pela preservação do planeta (tratados de desarmamento; reatamentos diplomáticos): a paz precisa triunfar!