quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

O futuro visível




"La expansión inflacionaria fue tan intensa que hay regiones enteras del universo más allá de nuestro universo visible que siempre estarán fuera de nuestro alcance." 
(Michio Kaku, Universos Paralelos)




O físico Michio Kaku sugere estações espaciais nas luas de Marte (bases de apoio e abastecimento), antes de colonizá-lo. O planeta vermelho, por enquanto, tem se revelado um inóspito deserto gelado e sem vida, exceto (provavelmente) a microbiana nas fontes termais do subsolo - conforme coleta de dados do robot Curiosity, da Nasa.  

Aldrin Buzz, que esteve na lua terrestre, defende a colonização marciana - apesar das radiações letais e do desarranjo biológico nos cosmonautas, conscientes da intrépida missão.  



Kaku: o fabuloso futuro da humanidade


Entretanto, não resta dúvida que Marte terá colônia de humanos até 2.030. Testes de ambientação artificial e seleção dos primeiros argonautas já estão sendo realizados. Posteriormente, se inviável a colonização humana, poderá ser habitado por robôs-substitutos (humanoides), em contato permanente com a civilização terráquea.    

Kaku antevê a exploração das luas de Júpiter em 2.100, não obstante o perigo dos micrometeoritos no cinturão de asteroides. O problema poderá ser resolvido com viagens controladas à distância, sem tripulação humana na fase experimental. Poderão ser utilizados robôs-substitutos para colonizar e enviar dados à Terra. 

Por volta de 2.100 projeta-se o envio de sondas para as estrelas galácticas - talvez Andrômeda, a 2 milhões de anos-luz do nosso planeta.


Protótipo de hover car


As novidades do futuro próximo do nosso mundo material são os carros magnéticos (hover cars), cujos conceitos foram apresentados há 3 anos na China; o holograma 7D; os soldados-robots (espera-se que sejam forjados tão somente para a manutenção da "pax hominum"); a polícia robótica autômata; os socorristas-robots etc. 

Já é realidade entre nós o Big Dog, máquina robótica que carrega equipamentos, co-protagonista do filme Young Ones, de 2014. 


Big Dog, a máquina robótica: co-protagonista cinematográfico


Aliás, nesta película pode-se ver algumas novidades eletrônicas: o celular touch screen que abre-se como a aba de um leque, o tablet dobrável em folha de papel, o exoesqueleto (Pedamotor), os drones de entregas expressas sobrevoando prosaicamente os trigais. 

Os bio-robots já existem, mimetizando insetos. O MIT está trabalhando no protótipo de um leopardo robotizado, que pretende emular a velocidade e a capacidade de pular obstáculos do felino original.  


Hologramas 7D: as imagens flutuam


Também já está em funcionamento a leitora de pensamentos, que é uma bandana atada à cabeça que se conecta aos neuro-transmissores cerebrais. A inovação pode ser vista no Museu da Ciência e Indústria de Chicago através do jogo lúdico Mindball.


Mindball: sensores captam comandos cerebrais